Jornada Morna

Tendo como palco o Circuito de Vila Nova de Foz Côa, disputou-se no passado fim-de-semana o Autocross das Vindimas, uma prova organizada pelo Foz Côa Automóvel Clube. Uma jornada que iria dar a conhecer os novos Campeões e da qual, mau grado ter poucos pilotos, era esperada muita emoção e adrenalina. Mas foi quase o contrário, o que aconteceu.
Na Divisão 1, José Azevedo, com o seu BMW 4x4, festejou o título, logo na segunda manga de qualificação.
Essa Divisão, teve Joaquim Santos, ao volante do espectacular Opel Astra OPC, como dominador, nas mangas de qualificação. Venceu as duas em que participou, conquistando o primeiro lugar na grelha de partida, da derradeira corrida. Nesta, a final, o piloto da Bompiso ficou na liderança, logo no arranque, seguido de perto por Pedro Matos, com um Mitsubishi Lancer, e por José Azevedo, o novo Campeão. No decorrer da segunda volta, na entrada da recta da meta, Pedro Matos tenta a ultrapassagem, mas bate na roda da frente do Astra, pelo que a direcção deste se viria a partir, obrigando Joaquim Santos a parar, pouco depois.
Matos vence, ficando José Azevedo na segunda posição. Um pouco mais atrás, António Matias, com outro Mitsubishi, corta a meta no terceiro lugar.
José Azevedo é o novo Campeão, com Pedro Matos em segundo. A ausência de Joaquim Santos na primeira prova, acrescida de alguns azares e desta situação de Foz Côa, deixaram-no no terceiro lugar do Campeonato. Contudo, Joaquim Santos já venceu o Troféu Off-Road, desta temporada.
Na Divisão 2, Pedro Magalhães não precisava de vencer, para conquistar o seu primeiro Campeonato. Mas o piloto do Astra quis também abrir o champanhe da vitória e conseguiu-o, depois de vencer uma final, que comandou desde a partida.
Na segunda posição, classificou-se o Opel Kadett de Vítor Mendes, que dessa forma ficou também em segundo no Campeonato. Igualmente, tanto na prova como no Campeonato, a terceira posição ficou na posse de Olavo Ribeiro, com um Opel Astra.
Na Divisão 3, António Ferreira, em Atmos, Hélio Francisco, em ASport TT e António Santos, com um Toniauto ASTT, eram os candidatos ao título. A prova de Francisco terminou na primeira manga, pois o piloto bateu e não consegui recuperar o carro.
Ficou a vida mais facilitada, para António Ferreira, que venceu a prova e, com essa vitória, revalidou o título, que já tinha conquistado na época passada. António Santos foi segundo, também prova e no Campeonato, com Rodolfo Ribeiro, com um Atmos, a terminar na terceira posição. No Campeonato, Hélio Francisco foi o terceiro classificado.
Na Taça, vitória na Divisão1, foi para Espanha, através do jovem José Blanco. Com um BMW 325, venceu a prova e a Divisão 1 da Taça Nacional de Autocross.
Já na 2, a vitória sorriu a Rui Cotrim, com um Renault Clio, enquanto Pedro Borges venceu a Taça, depois de ter conseguido três vitórias em seis provas.