Os resultados possíveis

Montalegre, no passado fim de semana, teve as honras de organizar a jornada inicial do Campeonato do Mundo de Ralicross. Uma prova organizada pelo CAVR, que também pontuou para o Europeu da modalidade e onde estiveram os melhores pilotos de Ralicross da Europa e do Mundo.


Com um enorme mar de gente nas bancadas do circuito, igualmente houve mais duas estreias, nesta prova. As dos dois novos Ford, de dois pilotos do Bompiso Racing Team. Joaquim Santos estreou o seu novo Ford Focus, nos SuperCar, e Mário Teixeira, na Super 1600, um Ford Fiesta, adquirido mesmo junto ao encerramento das inscrições desta jornada.
Neste Ralicross mundial, que marcou os primeiros contatos em competição com as duas viaturas, faltou a ambos uma pontinha de sorte, para que a participação ficasse para a história.

Santos a duas posições de uma final
Joaquim Santos, terminou na 14ª. posição, a dois lugares de acesso a uma meia-final. A segunda manga de qualificação, foi a "culpada" de não ter sido conseguido um melhor resultado. Seguia em segundo lugar da sua série, quando à saída da Joker lap, raspou numa proteção a uma zona de pneus. Pouco depois, um problema aconteceu com a porta do lado do condutor. "Fui obrigado a parar, com um problema na porta do condutor. Ainda não sabemos bem porque isso aconteceu. Estava na segunda posição, que em condições normais não perderia, visto que já tinha passado pela Joker lap. Se terminasse nesse lugar, certamente teria acesso a uma meia-final", confessou Joaquim Santos.
As novas regras deste Campeonato do Mundo, levam a que somente 12 pilotos sejam apurados para as finais. Caso fossem os regulamentos anteriores, Joaquim Santos, mesmo com o que aconteceu, seria apurado para uma final.



Participar para ganhar experiência
Já na Super 1600, Mário Teixeira tinha como principal "motivação" o fazer quilómetros que lhe permitissem conhecer melhor o carro. Tudo porque este tinha chegado ao nosso país, poucos dias antes. E ainda haveria que ser feita uma ligeira revisão, bem como uma nova pintura.
Mário Teixeira foi rodando, melhorando as suas prestações e provando que há que contar com ele, no nosso Campeonato.
"O carro foi adquirido muito próximo desta prova e havia várias coisas que era necessário serem feitas. Não deu tempo para ensaios, pelo que foi chegar a Montalegre, sentar-me e conduzir. O carro é muito interessante, mas tenho de fazer mais treinos, para o conhecer melhor. Estou satisfeito com o que consegui, nesta jornada, pois não nos devemos esquecer que estavam cá excelente pilotos e todos com muita rodagem, nesta categoria". Palavras de Mário Teixeira, terminada a prova.
Tal como Joaquim Santos, também os anteriores regulamentos ter-lhe-iam permitido um acesso  a uma final.
Foi uma jornada que com uma pontinha de sorte, teria ainda melhores resultados. Ninguém poderá esquecer que, em Montalegre, estavam dos melhores pilotos de Ralicross da Europa e do Mundo.
Vamos aguardar, agora, pelo Campeonato Nacional desta modalidade, onde também deverá estar presente o outro piloto do Bompiso Racing Team, Ricardo Soares.